ANTÔNIO ARNEY

Nasceu em Piraquara, Paraná, em 1926. Frequentou o Circulo de Artes Plásticas do Paraná e foi orientador de cursos no Centro de Criatividade de Curitiba e no Museu Alfredo Andersen.
Em Curitiba, suas obras fazem parte do Acervo do Museu de Arte Contemporânea do Paraná, Museu Oscar Niemeyer e Museu Metropolitano de Artes. Em São Paulo, faz parte do acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo.
Participou de várias mostras em Curitiba, São Paulo, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Brasília e Aarau (Suíça). Expôs individualmente em Curitiba, na Galeria de Arte Cocaco, na Fundação Cultural de Curitiba e no Museu de Arte Contemporânea do Paraná, entre outras; se destacando e recebendo várias premiações durante sua carreira.

Começou a pintar em 1956, como autodidata e vem trabalhando com pintura, desenho, objeto, colagem e pesquisa de materiais.

Gosta de assistir a ação do tempo sobre os materiais. Não gosta do novo. Quer o velho, o deteriorado, o enferrujado, a sobra; quando um objeto desses lhe agrada, cola-o no suporte de madeira e ai começa a trabalhar, a tingir com anilinas, a molhar com água para acelerar o processo. Nós somos convidados a perceber de uma maneira puramente sensível as massas, as tensões, as energias, mas também as pulsões do seu inconsciente, a expressividade do gesto, a exploração dos significados, o fluxo da matéria que o artista não procura, nem pretende, esconder.
A experiência humana vivida e sofrida, projetada como uma sombra sobre os objetos, é o verdadeiro tema do artista Arney, ele quer também forçar o observador a pensar em cada detalhe e em cada entalhe, cada quadro seu foi construído como um mundo novo a ser descoberto.

Born in Piraquara, Paraná, in 1926. Attended the Circle of Plastic Arts of Paraná and was orientator in courses at the Center of Criativity of Curitiba and at the Museum Alfredo Andersen. In Curitiba, his works make part of the collection of the Contemporary Art Museum of Paraná, Museum Oscar Niemeyes and Metropolitan Museum of Arts. In São Paulo, makes part of the collection of the Museum of Modern Art of São Paulo. Participated on various shows in Curitiba, São Paulo, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Brasília and Aarau (Suiss). Exposed individually in Curitiba, at the Gallery of Art Cocaco, at the Cultural Fundation of Curitiba and at the Museum of Contemporary Art of Paraná, and so on; highlighting himself and recieving inumerous awards during his career.

Started to paint in 1956, as autodidact and has been working with painting, drawing, object, collage, and research of materials.

Likes to watch the action of time over materials. Doesn’t like the new. Wants the old, the deteriorated, the rusty, the leftover; when one of these objects pleases him, he glues it on a wood support and starts to work, to dye with anilin, to wet with water to speed the process. We are invited to perceive in a purelly sensitive maner the masses, the tensions, the energies, but also the pulses of his inconcient, the expressivity of gesture, the exploration of meanings, the fluxe of matter that the artist doesn’t look for, neither intend to, hide. The human experience lived and suffered, projected as shadow between the objects, it is the true theme of artist Arney, he also wants to force the observer to think in each detail and in each notch, each canvas of his has been constructed as a new world to be discovered.